COMO CHEGAR
 Atrativos Turísticos
 Equipamentos de voo
 Escola de Voo
 Esportes de Aventura
 Eventos
 Galeria de Fotos
 Galeria de Videos
 Lojas Fora do Ar
 Meteorologia
 Pousadas
 Rampas de Voo do ES
 Reportagens
 Sobre Alfredo Chaves
 Voo Duplo
Busca:
 
Dicas - VOO DE LIFT

Uma Asa delta como qualquer outro planador em ar calmo, perde altura. A altura é a energia dos planadores, se perde altura trocando por velocidade e com a velocidade se ganha sustentação que mantém a Asa Delta voando no ar.

 

Se não quisermos que o vôo dure apenas alguns minutos, devemos aproveitar as correntes ascendentes. A forma mais fácil de nos mantermos voando, é mediante as ascendentes geradas pelo vento que incide sobre uma montanha, sempre que esta ascedente seja superior a taxa de descida da Asa Delta nos manteremos em vôo. Este é o vôo de lift ou vôo de colina.

 

Neste gráfico 1 vemos como o vento incide sobre a montanha, sendo obrigado a superála. Este vento que antes tinha uma direção horinzontal (flecha negra) toma uma nova direção inclinada ascendente  (flecha

vermelha) que podemosdecompor em uma componente horizontal e outra vertical (flecha azul) que é a que nos interessa neste momento. Esta componente vertical varia conforme a velocidade do vento e o ângulo de incidência sobre a mesma, que deve ser superior a taxa de descida da Asa, isto gera a possibilidade de ganho de altura. Temos desenhado o Rotor que se forma ao sotavento junto ao sinal de perigo. Se deve evitar esta zona pois as turbulências descendentes geradas ali, são extremamente perigosas.

 

A ascendente, não é uniforme ao longo de toda a colina (gráfico 2), pode apresentar grandes diferenças, se deve ter em conta a asceleração do ar nas pontas da mesma (efeito Venturi), provocando zonas de menor pressão que geram descendentes, se entrar em   algum  destes  locais  da

colina, será difícil voltar à um local adequado, e sempre as custas de perder  muita altura.

 

Por esta razão as montanhas adequadas são bem largas, mesmo tendo pouca autura, como no gráfico 2, memso tendo algumas dezenas de metros é suficiente. Em diversas zonas costeiras, se voa colina aproveitando as ascendentes geradas pelo vento que incide sobre os hotéis e prédios a beira mar. A Montanha do   gráfico   3   é   alto,   porém  por ser 

pontiagudo faz com que o vento que incide nela, escape pelos lados, gerando muito pouca corrente ascendente.

 

O voo de colina normalmente é efetuado fazendo diversas passagens ao longo da mesma, efetuando giros de 180º em suas extremidades. As curvas devem ser sempre contra o vento para evitar que este nos jogue contra a montanha ou nos leve ao rotor a sotavento da montanha.

Podemos ver o circuito mencionado no gráfico 4 acima.

Mediante ao voo de colina ou lift, pode-se ganhar centenas de metros, que nos permite voar e explorar lugares planos e depois voltar para a montanha e recuperar a altura perdida. Também podemos fazer voos de distância nos apoiando em sucessivas montanhas.

Seus primeiros voos de permanência certamente serão os voos de colina, basta dominar as curvas de 180º. Conseguindo ganhar altura, poderemos sair da montanha para praticar as curvas de 360º e prendermos a dominar as velocidades. Toda esta experiência nos permitirá afrontar a etapa seguinte como pilotos de Vôo Livre: o voo térmico.



 
Destaques

No Ar
Voo Duplo de Parapente - Liberdade total

Na Pedra
Não sou calango, mas...

Na Água
Para quem não tem medo de se molhar

Na Terra
Caminhada Ecológica - Aproveite a paisagem!


Newsletter




Enquete
Qual aventura você gostaria de fazer?
Voo duplo
Rapel
Bóia Cross
Ecopasseio
Kaiake

  








Avenida Getulio Vargas, s/n - Centro, Alfredo Chaves-ES - 29240-000 :: (27) 3269-1345 | (27) 9981-6751