COMO CHEGAR
 Atrativos Turísticos
 Equipamentos de voo
 Escola de Voo
 Esportes de Aventura
 Eventos
 Galeria de Fotos
 Galeria de Videos
 Lojas Fora do Ar
 Meteorologia
 Pousadas
 Rampas de Voo do ES
 Reportagens
 Sobre Alfredo Chaves
 Voo Duplo
Busca:
 
Dicas - POUSO

Uma asa delta como as demais aeronaves pousam, não caem! A maioria das aeronaves pousam com o uso de rodas e posteriormente freiam até parar. Enquanto uma asa delta deve pousar em um exato instante e local, mediante um (Stall) comando sobre as barras laterais, e consequentemente parando-nos sobre as pernas. Depois de efetuar uma boa aproximação e antes do Stall, devemos abordar algumas fases.

O objetivo do pouso é nos colocar no solo em pé, com suavidade e velocidade respectiva ao solo igual a zero. Partindo da grande margem de velocidades das asas deltas atuais, é importante desde os vôos no morrinho de aula, praticar um pouso eficiente. Para conseguirmos parar a asa, requer uma freada aerodinâmica (Stall), que consiste em confrontar a superfície da asa com o vento relativo, mediante um empurrão sobre as barras laterais, para quebrar em um só golpe, subitamente a resistência, a sustentação e velocidade.

Fases do Pouso. O processo de pouso, pode ser dividido em 4 fases principais.

A: Entrada 

B: Desaceleração

C: Planeio final

D: Stall

 

 

Mediante a sucessão de precisos movimentos, as diferentes ações devem ser levadas ao pé da letra para prepararmos um stall do modo mais efetivo possível, e para termos uma margem para eventuais correções.
 

A - Entrada. Ao inciciar a aproximação final, a velocidade de vôo deve ser ligeiramente superior a velocidade normal de vôo e cosntante, para poder compensar uma diminuição da velocidade relativa, por exemplo, a causa de um gradiente de vento. Devemos seguir uma trajetória estabilizada em todos os sentidos, sem vai e vens, nem alterações bruscas de velocidades.
Graças a esta margem extra de velocidade a asa ganha estabilidade e comando para eventuais correções. O piloto deve se manter olhando para um possível ponto de toque.

 

A.b - Ficar em Pé, Troca de Mãos. No final desta fase ficamos em pé, a uns 3 ou 4 metros sobre o solo. Primeiramente efetuamos o descapotamento, ou seja, ainda com as mãos na barra de comando, vamos passar da posição horizontal, para uma posição um pouco mais vertical, isto é feito com um leve tranco com as mãos apoiadas na barra de comando (Speed bar) para que a fita do harness corra e deixe o harness apoiado em um GC mais à frente, facilitando a troca de mãos.

Nesta posição e estabilizados, levamos primeiro uma das mãos há uma das barras laterais e em seguida levamos a outra mão à outra barra lateral. Todo este processo, deve ser calmo, com controle e prudência, não devendo alterar a velocidade da asa, nem perder a precisão da trajetória.

 

B - Desaceleração. Antes do Stall, devemos perder o excesso de velocidade. Com a barra de comando há mais ou menos 1 metro do chão, devemos cabrar levemente (empurrar as barras simetricamente à frente) aumentando o ângulo de ataque da asa paulatinamente, com isso, perdendo velocidade. Isto permitirá mantermos a altura de mais ou menos 1 metro durante alguns instantes.

 

C - Planeio final. Sequentemente a desaceleração, a asa inicia um planeio final devido ao efeito solo. Nesta fase levantamos mais o corpo empurrando o torax e a barriga à frente, aproveitando para posicionar as mãos mais acima nas barras laterais, na altura dos ombros. Nesta altura, temos uma ótima longitude dos braços para efetuar de maneira efetiva o stall. Dirija o olhar agora ao horizonte. Quando sentirmos que não podemos mais manter a altura, é o instante ideal para efetuarmos o empurrão nas barras (o stall).
 

D - Stall. Devemos empurrar as mãos sobre as barras com firmesa, para cima e para frente. Levamos o corpo para frente, mantendo os braços esticados até que piloto e asa toquem o solo, com o piloto parando em pé. A resistencia aumenta tão bruscamente que o resto da sustentação se quebra repentinamente, freando a asa.
A força do stall dependerá do vento: para ventos zero, devemos empurrar as barras com força e em toda longitude dos braços, a medida que o vento vai aumentando, devemos empurrar com menor força e com menor amplitude dos braços.

Em ventos fortes, devemos somente empurrar levemente até que a asa pare!

 

Erro Comum: um dos erros mais normais é não levar o corpo o mais para a frente possível (deixando a barriga e o quadril para traz), fazendo com que o peso fique para traz do centro de pressão da asa, gerando um stall sem efeito algum. O resultado é uma desaceleração insuficiente, fazendo com que a asa crash de nariz.

 

Paraquedas de Arrasto: um dos inconvenientes das asas de alta performance atuais é o seu alto índice de planeio (15:1), fazendo com que os pousos fiquem longos demais. Para solucionar parte deste problema, foram criados os chamados "paraquedas de arrasto", para aumentarmos o arrasto parasita, a medida que aumentamos a velocidade, diminuímos consideravelmente o índice de planeio, chegando a uma taxa de até 3:1.



 
Destaques

No Ar
Voo Duplo de Parapente - Liberdade total

Na Pedra
Não sou calango, mas...

Na Água
Para quem não tem medo de se molhar

Na Terra
Caminhada Ecológica - Aproveite a paisagem!


Newsletter




Enquete
Qual aventura você gostaria de fazer?
Voo duplo
Rapel
Bóia Cross
Ecopasseio
Kaiake

  








Avenida Getulio Vargas, s/n - Centro, Alfredo Chaves-ES - 29240-000 :: (27) 3269-1345 | (27) 9981-6751